sexta-feira, 20 de abril de 2018

Sananga, o colírio amazônico


Templo Polimata / Cadeira de Xamanismo / Caminho Verde
Por Sua Graça Sumo Grão Mestre Polimata Acarya Maha Surya Pandit Swami Arumuya Kane Satanawa Varinawa


    Os índios da grande Nação Nawa, hoje separada em mais de 17 etnias, reconhecem qualquer coisa que se coloque nos olhos, no sentido de colírio como Sananga. Porém existe uma medicina especifica utilizada como colírio dentro das culturas indígenas Nawas, em que a etnia Kaxinawa (Huni Kuî) conhece como Mana Heîns, já os Yawanawas em seu dialeto e conhecido como Kanapã Vetxe Shuti.

    O colírio da Sananga medicinal é extraído de uma planta brejeira em forma de arbusto, a Tabernaemontana Sananho, em que um dos princípios ativos encontrados e a Ibogaína. Através de suas raízes que são batidas com água e decocção para extrair suas propriedades. Fale apena relatar a importância da agua usada durante sua produção, infelizmente a maioria da sanangas encontradas pelo mercado foram realizadas com agua de qualidade duvidosa, em especial quando vindo de aldeias indígenas, fale a pena conhecer a sua origem, e em especial também se foi devidamente filtrada.


    Visualmente a sananga varia sua coloração mediante a concentração, agua utilizada e filtragem, variando de um verde escuro meio marron até um amarelo dourado.

    Em sua aplicação ocorre uma ardência que varia entre 3 minutos, mediante a questão clínica do paciente e a frequência que o mesmo utiliza. E com certeza um momento muito especial, afinal com toda a ardência ocorrida neste momento temos a realização de estarmos completamente inseridos neste aqui e agora temporal, que nada mais e importante naquele instante.

    Sua aplicação está voltada em especial a doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite. Nossa visão fica mais precisa, clara e nítida após a aplicação. Apesar de sua contribuição a sananga não cura problema físicos existente nos olhos.

    Espiritualmente e energeticamente falando ajuda a limpar o canal ocular, contribuindo para a a fluidez da percepção junto ao Chakra Ajna (3º Olho), desta forma aumenta nossa percepção e visão espiritual e sensitiva enquanto médiuns, a comprovação de expansão do campo áureo.

    Algumas tribos das etnias Nawas, utiliza-se da sananga para retirar a chamada Panea, que seria uma forma de energia acumulada negativa que carregamos, normalmente associada ao suco gástrico do estomago, que acumula todo o tipo de bactérias e doenças em suspensão, como também carne ingerida em putrefação, base química de medicamente e todo o tipo de lixo inserido na comida que acreditamos muitas vezes ser saudável, como a questão medical que muitas vezes destrói nossa resistência e saúde.

    Além de sempre esquecida química emocional que somos bombardeados diariamente em nosso dia-a-dia, como nossa relação de vida sedentária, destrutiva a nível de pensamentos e ações, colocando-nos fragilizados a nível espiritual, emocional e físico, desta forma depressivo, estressado, mau humorado, quebrado fisicamente.

    Porém deve aqui relatar que o organismo indígena e mais delicado e possui uma pureza de alimentação, ambiente e qualidade de vida não encontrada dentro dos homens assim ditos civilizados, deste forma retirar a Panea através de sananga se encontra mais qualificada entre indígenas. O homem civilização possuidor de uma química ficológica moderna, necessita de outras medicinas e estímulos mais objetivos para alcançar a limpeza da panea realmente.

    O fato de a Ibogaína ser um dos princípios ativos encontrados na sananga, sendo um principio ativo que provoca experiência psicoativa, pode provocar em algumas pessoas transes e rapidas visões, chamadas de mirações por algumas tradições ayahuasqueiras. Além do mais a Ibogaína auxilia no tratamento de dores crônicas e um forte estimulante afrodisíaco, trazendo uma facilitação de processo meditativos e de introspecção.

 
  Os índios também usam a sananga quando saem para caçar, pois auxilia em muito a percepção e nitidez dentro da floresta. Através de sua aplicação podemos relatar a melhor percepção das texturas visuais, profundidade, cores mais vivas o que auxilia o caçador em sua busca visual dentro da floresta em busca da presa.

    Acredita-se que exista uma relação indireta da sananga com o auxilio em algumas doenças psicossomáticas, sendo os olhos nossas janelas para a percepção deste mundo e a nossa necessidade de ver nosso inimigo para podermos assim empreender nossa luta, e natural que esta medicina nos auxilia na percepção do mundo em nossa volta trazendo realização a nível espiritual, emocional e físico.

    O espirito da sananga que é um shanovo (espirito da floresta) tem como processo de medicina o refinamento da visão espiritual, assim para que possamos enxergar a verdade que se encontra a nossa volta e muitas vezes nossa cegueira pessoal e limitante não os permite visualizar e deslumbrar a beleza que existe a nossa volta.





Indicação
Doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite.

Aplicação
2 à 3 gotas a cada olho
Atenção para não esfregar as mão nos olhos devido ao ardência, pois não ira auxiliar, pelo 
contrário provocara mais ardência.



Contraindicação
Não devemos utilizar sananga após cirurgias oculares ou em caso de ferimentos ocorridos.
















sexta-feira, 6 de abril de 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata Abril 2018

Agenda de Abril

  Com grande alegria e devoção informamos a agenda de Abril em todos os Templos Polimata do Brasil, referente a cadeira de Xamanismo, segue:


07|04 - 16h Roda de Rapé (Medicinas da Jibóia)                                07|04 - 19h Ritual de Uni 

08|04 - 09h Ritual de Kambô
08|04 - 16h Roda de Miração com Victor Veiga

14|04 - 19h Roda de Animais de Poder

15|04 - 09h Ritual de Kambô

20|04 - 19h Clã do Camaleão *somente membros*

22|04 - 09h Ritual de Kambô

29|04 - 09h Ritual de Kambô


Templo Campinas           

07|04 - 19h Ritual de Wachuma & Ayahuasca          

08|04 - 09h  Ritual de Kambo                                   
                   
 11|04 - 19h Roda de Rapé (Medicinas da jibóia)      

14|04 - 19h Ritual de Uni                                          

15|04 - 09h Ritual de Kambô                                    
15|04 - 16h Roda de Miração com Victor Veiga       

22|04 - 09h Ritual de Kambô                                    

27|04 - 19h Clã do Camaleão *somente membros*

29|04 - 09h Ritual de Kambô                                    



08|04 - 09h Ritual de Kambô

15|04 - 09h Ritual de Kambô

21|04 - 19h Roda de Rapé (Medicinas da Jibóia)
21|04 - 20h Ritual de Uni

22|04 - 09h Ritual de Kambô

28|04 - 19h Roda de Animais de Poder

29|04 - 09h Ritual de Kambô





segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata Fevereiro

Templo Mairiporã

03|02 - 16h Roda de Rapé Medicinas da Jibóia
03|02 - 19h Ritual de Uni 

04|02 - 09h  Ritual Kambô                                                 

16|02 - 21h Clã do Camaleão - Somente Membros

18|02 - 09h Ritual Kambô

25|02 - 09h Ritual Kambô




                     Templo Campinas
            
04|02 - 09h Ritual de Kambô

          07|02 - 19h Roda de Rapé Medicinas da Jiboia

        10|02 - 21h Ritual de Uni

 11|02 - 09h Ritual de Kambô
                                    
  17|02 - 22h Voo do Condor ( San Pedro )

    23|02 - 21h Clã do Camaleão - Somente Membros

                                              25|02 - 09h Ritual Kambô    



11|02 - 08h Ritual Kambô

17|02 - 18h Roda de Rapé Medicina da Jiboia 
17|02 - 21h Ritual de Uni

18|02 - 08h Ritual de Kambô

24|02 - 20h Animais de Poder

25|02 - 09h Ritual de Kambô


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Agenda Xamânica de Janeiro

Agenda da cadeira de Xamanismo nos Templos Polimatas em 2018


* Templo Campinas:

20|Jan / 21h - Ritual de Uni - Inicio das atividades da cadeira de xamanismo em 2018
21|Jan / 9h - Kambo

* Templo Mairiporã:

21|Jan / 9h - Kambo

* Templo Boituva :

21|Jan / 15h - Roda de Miração

* Templo Campinas :

26| Jan / 21h Clã do Camaleão




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Agenda de Maio

Agenda de Maio do Templo Polimata Mairiporã

AGENDA DE MAIO

01/05 - Segunda-feira (Feriado)
10h | Café da Manhã e Encerramento da Caminhada Xamânica

06/05 - Sábado
09h | Curso de Cristais - Módulo I (saiba mais)
15h | Aula de Música e Ensaio
19h | Ritual de Uni

07/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô

08/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

13/05 - Sábado
21h | Concentração dos Animais de Poder com Ayahuasca

14/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô 

15/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

19/05 -Sexta-feira
21h | Clã do Camaleão

20/05 - Sábado
15h | Aula de Música e Ensaio do Corpo Musical
19h | Satsaṅga à Śrī Nṛsiṁhadeva

21/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô

22/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

26/05 - Sexta-feira - Especial ao Povo Cigano
19h | Concentração de Esquerda com Ayahuasca
Especial ao Povo Cigano e à Santa Sara Kali
​​
27/05 - Sábado
14h |Estudo de Ogan com Renan
15h | Estudo Mediunico
19h |Ritual de YagêOrixas à Oxalá
28/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô
10h | Ritual à Oxum no Rio

29/05 - Segunda-feira

21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

Saiba mais em nosso sitewww.ordempolimata.com.br
Templo Polimata
Maiores informações pelo telefone.
(11) 98225-8808 (TIM/WhatsApp)

sábado, 8 de abril de 2017

Sananga O Colírio Amazônico

Sananga
O Colírio Amazônico
Templo Polimata / Cadeira de Xamanismo / Caminho Verde
Por Sua Graça Sumo Grão Mestre Polimata Acarya Maha Surya Pandit Swami Arumuya Kane Satanawa Varinawa

Os índios da grande Nação Nawa, hoje separada em mais de 17 etnias, reconhecem qualquer coisa que se coloque nos olhos, no sentido de colírio como Sananga. Porém existe uma medicina especifica utilizada como colírio dentro das culturas indígenas Nawas, em que a etnia Kaxinawa (Huni Kuî) conhece como Mana Heîns, já os Yawanawas em seu dialeto e conhecido como Kanapã Vetxe Shuti.

O colírio da Sananga medicinal é extraído de uma planta brejeira em forma de arbustro, a Tabernaemontana Sananho, em que um dos princípios ativos encontrados e a Ibogaína. Através de suas raízes que são batidas com água e decocção para extrair suas propriedades. Fale apena relatar a importância da agua usada durante sua produção, infelizmente a maioria da sanangas encontradas pelo mercado foram realizadas com agua de qualidade duvidosa, em especial quando vindo de aldeias indígenas, fale a pena conhecer a sua origem, e em especial também se foi devidamente filtrada.

Visualmente a sananga varia sua coloração mediante a concentração, agua utilizada e filtragem, variando de um verde escuro meio marron até um amarelo dourado.
Em sua aplicação ocorre uma ardência que varia entre 3 minutos, mediante a questão clínica do paciente e a frequência que o mesmo utiliza. E com certeza um momento muito especial, afinal com toda a ardência ocorrida neste momento temos a realização de estarmos completamente inseridos neste aqui e agora temporal, que nada mais e importante naquele instante.

Sua aplicação está voltada em especial a doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite. Nossa visão fica mais precisa, clara e nítida após a aplicação. Apesar de sua contribuição a sananga não cura problema físicos existente nos olhos.

Espiritualmente e energeticamente falando ajuda a limpar o canal ocular, contribuindo para a a fluidez da percepção junto ao Chakra Ajna (3º Olho), desta forma aumenta nossa percepção e visão espiritual e sensitiva enquanto médiuns, a comprovação de expansão do campo áureo. Algumas tribos das etnias Nawas, utiliza-se da sananga para retirar a chamada Panea, que seria uma forma de energia acumulada negativa que carregamos, normalmente associada ao suco gástrico do estomago, que acumula todo o tipo de bactérias e doenças em suspensão, como também carne ingerida em putrefação, base química de medicamente e todo o tipo de lixo inserido na comida que acreditamos muitas vezes ser saudável, como a questão medical que muitas vezes destrói nossa resistência e saúde. Além de sempre esquecida química emocional que somos bombardeados diariamente em nosso dia-a-dia, como nossa relação de vida sedentária, destrutiva a nível de pensamentos e ações, colocando-nos fragilizados a nível espiritual, emocional e físico, desta forma depressivo, estressado, mau humorado, quebrado fisicamente.

Porém deve aqui relatar que o organismo indígena e mais delicado e possui uma pureza de alimentação, ambiente e qualidade de vida não encontrada dentro dos homens assim ditos civilizados, deste forma retirar a Panea através de sananga se encontra mais qualificada entre indígenas. O homem civilização possuidor de uma química ficológica moderna, necessita de outras medicinas e estímulos mais objetivos para alcançar a limpeza da panea realmente.

O fato de a Ibogaína ser um dos princípios ativos encontrados na sananga, sendo um principio ativo que provoca experiência psicoativa, pode provocar em algumas pessoas transes e rapidas visões, chamadas de mirações por algumas tradições ayahuasqueiras. Além do mais a Ibogaína auxilia no tratamento de dores crônicas e um forte estimulante afrodisíaco, trazendo uma facilitação de processo meditativos e de introspecção.

Os índios também usam a sananga quando saem para caçar, pois auxilia em muito a percepção e nitidez dentro da floresta. Através de sua aplicação podemos relatar a melhor percepção das texturas visuais, profundidade, cores mais vivas o que auxilia o caçador em sua busca visual dentro da floresta em busca da presa.

Acredita-se que exista uma relação indireta da sananga com o auxilio em algumas doenças psicossomáticas, sendo os olhos nossas janelas para a percepção deste mundo e a nossa necessidade de ver nosso inimigo para podermos assim empreender nossa luta, e natural que esta medicina nos auxilia na percepção do mundo em nossa volta trazendo realização a nível espiritual, emocional e físico.

O espirito da sananga que é um shanovo (espirito da floresta) tem como processo de medicina o refinamento da visão espiritual, assim para que possamos enxergar a verdade que se encontra a nossa volta e muitas vezes nossa cegueira pessoal e limitante não os permite visualizar e deslumbrar a beleza que existe a nossa volta.

Indicação
Doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite.

Aplicação.
2 à 3 gotas a cada olho
Atenção para não esfregar as mão nos olhos devido ao ardência, pois não ira auxiliar, pelo contrário provocara mais ardência.

Contraindicação
Não devemos utilizar sananga após cirurgias oculares ou em caso de ferimentos ocorridos.

Irmandade Polimata

sexta-feira, 10 de março de 2017

30 livros sobre xamanismo


 Dentro do caminho de um homem ou mulher de conhecimento sua vivência suas experiências são seu maior bem, sua maior sabedoria.
  Para dar base a esta sabedoria, para que nosso conhecimento se construa em cima de alicerces sólidos os estudos teóricos através da leitra são a argamassa fundamental da nossa construção. Sendo assim este blog indica uma lista de 30 livros-estudo para começarmos nossa caminhada dentro do xamanismo, essa lista foi elaborada por MP Nuno Maha, nosso querido mestre Nuno da Irmandade Polimata Brasil, seguem suas palavras:

 " O conhecimento, é parte integral de nosso crescimento espiritual.
  Dentro da jornada Xamânica e de Gnose-Vegetal do Polimatismo, é importante a leitura para nosso desenvolvimento pessoal, e assim, complementar o caminho realizado em nossos rituais e no dia a dia.
  Foram aqui selecionados alguns livros que seriam importante à leitura e discussão sobre os temas abordados dentro do Clã do Camaleão ou para os buscadores do caminho sagrado.
  Muitos destes livros estão esgotados, mas fáceis de encontra-los na internet em sua maioria.
  Indico 30 deles, logo abaixo:
1. Retorno à cultura Arcaica – Terence McKenna
2. Alucinações Reais – Terence Mckenna
3. O Alimento dos Deuses – Terence McKenna
4. O Livro das Mirações – Alex Polari de Alverga
5. O Guia da Floresta – Alex Polari de Alverga
6. A Erva do Diabo – Carlos Castaneda
7. Uma Estranha Realidade – Carlos Castaneda
8. Viagem a Ixtlan – Carlos Castaneda
9. A Vida de Maria Sabina – Alvaro Estrada
10. O uso ritual da Ayahuasca – Beatriz Labate
11. A Reinvenção do uso da Ayahuasca nos centros urbanos – Beatriz Labate
12. A imaginação na cura – Jeanne Achterberg
13. Caminhos Sagrados – Nicholas Shrady
14. Enterrem meu coração na curva do Rio – Dee Brown
15. Penas Sagradas – Maril Crabtree
16. A iniciação de um Xamã – Kay Cordell Whitaker
17. O Segredo do Xamã – Douglas Gillette
18. Andarilho Espiritual – Hank Wesselman
19. A Sabedoria do Xamã – Hank Wesselman
20. A mulher no corpo de Xamã – Barbara Tedlock
21. Sastun – Rosita Arvigo e Nadine Epstein
22. A dança dos curandeiros – Carl A. Hammerschlag
23. A mulher Jaguar – Lynn V. Andrews
24. O Vôo da Setima Lua - Lynn V. Andrews
25. A Xamã de Salto Alto – Anna Hunt
26. O Caminho do Xamã – Michael Harner
27. O Curandeiro Nativo – Urso Pardo do Lago
28. Dançando o Sonho - Jamie Sams
29. Quando um raio atinge um Beija-flor – Foster Perry
30. A travessia das Feiticeiras – Taisha Abelar
  Boa leitura!
  Amplie seu conhecimento.
  SGMP.:. Acarya Maha Surya Pandit Swami   (Arumuya Kane Satanawa Varinawa)"