segunda-feira, 30 de abril de 2018

Conhecimento do Erveiro


  No xamanismo, tradicionalmente, um dos campos de domínio daquele dito xamã, ou pajé, ou curandeiro, são as ervas e suas funcionalidades medicinais e mágicas, não só as famosas ervas de poder como a datura, a ayhuasca, etc, mas também as ervas de uso mais ordinário, dentre elas a arruda, a guiné e muitas outras.
  A seguir descreveremos uma dessas ervas medicinais e mágicas muito difundida nos dias de hoje devido ao seu valor culinário além da finalidade mágica e médica.

  Alecrim, famosa erva aromática, que desde muito tem sido usada na culinária, na medicina, nas práticas espirituais, na defumação e odorização de ambientes e na cosmética. Seu nome científico é Rosmarinus Officinallis, rosmarinus vem do latim que significa orvalho do mar, que nos remete a sua origem, um arbusto proveniente das praias do mediterrâneo que cresciam livremente de forma espontânea, podendo atingir até 1,2m muito ramificado, sempre verde, com hastes lenhosas, folhas pequenas e finas, saiu das fileiras romanas para ganhar o mundo (porém seu uso e difusão seja anterior aos romanos).
    Seu cultivo demanda pouca experiência sendo uma planta bastante resistente as pragas (sendo inclusive uma defesa biológica contra algumas pragas e insetos que assolam jardins e pequenas plantações)  e também exige pouca rega não demandando água diariamente e não tolerando solos muito encharcados, seu plantio pode ser através sementes, o que demanda um tempo de desenvolvimento grande, ou a partir de um ramo de uma planta já formado ( neste caso tira-se um ramo novo, de 10 a 15 cm, com um corte na diagonal na base do galinho e após alguns poucos dias só plantar direto em solo, manter a terra úmida até que se crie suas novas raízes).
    Suas propriedades mágicas e medicinais teêm fama através das eras, desde os gregos que acreditavam que ela só nascia e florescia no quintal dos justos até os dias atuais onde ingleses cobrem os túmulos de seus heróis com ramos verdes, aparecendo na cultura popular até em Hamlet de shakspeare, suas flores podem ter ajudado a curar um notório caso de gota da rainha Isabel da Húngria em 1338. Seus óleos essênciais aromáticos afastam traças das roupas, combate a caspa no couro cabeludo e afasta vermes atraídos por carne em decomposição. Não bastassem tantos usos, o alecrim é uma das ervas mais indicadas para tratamento de artrite e outros males nas articulações. Cinco gotas de seu óleo essencial ajudam a tirar o inchaço e a dor de uma pancada. O chá, preparado tanto com folhas frescas quanto com secas, pode ser usado como digestivo e para aliviar dor de cabeça (só não deve ser tomado por grávidas,além de ter um cuidado especial caso administração dessa erva a epléticos e hipertensos ), para auxiliar no tratamento de pressão baixa, antigamente usava-se uma vassoura de alecrim todo dia cedo para varrer em baixo das camas para assim afastar as pulgas (ainda hoje em dia alguns donos de animais recheiam a cama de seus animais com folhas secas de alecrim).
    Não é atoa que no mundo das práticas espirituais diz-se que seu aroma, quando jogado em brasa (Defumação) afasta os maus espíritos, inspira a memória, estímula a concentração, atrai a prosperidade e da força espiritual. Seu Banho ajuda a conciliar nosso emocional ajudando a resolver situações difíceis de stress, confusão mental, cansaço e peso emocional e mental, sempre do pescoço pra baixo, é indicado, também para restaurar a energia e dar força após um banho de sal puro (descarrego), além do banho o escalda pé também pode ser feito para descarregar energias saturadas, inveja e para o relaxamento corporal.
   Essa planta, muito comum no dia-a-dia de muitos, esconde em sua simplicidade e encanto um grande poder que nos inspira e auxilia em qualquer momento, bastando seu aroma entrar em contato com nossas vias respiratórias para que parte da mágica do espiríto que rege este vegetal comece a atuar em nós, como o fogo que queima, nos da força e estimula a vencer, suas propriedades incluem: propriedades anti-inflamatórias e anti oxidante; desintoxicante natural; favorece a memória e a concentração; fortalece e previne o sistema neurológico de envelhecimento precoce; contribuí com o sistema digestivo; estimula a circulação; alivia a dor; tem prorpiedades antibacterianas (agindo em especial no sistema digestivo) e através do gargarejo com alecrim previne e combate o mau hálito causado por bacterias, além de outras.
  Uma planta simples de se cultivar, fácil de se encontrar e de um sem números de usos desde estéticos a mágicos e culinários é uma ótima aliada na nossa caminhada seja para a matéria seja para o espírito, afinal, no fundo não existe a separação entre ambos.
  Que o espirito do Alecrim possa sempre nos abençoar e despertar nossas melhores virtudes, hoje e sempre, para a eternidade!



FONTES
* Fitoenergética - A Energia Das Plantas No Equilíbrio da Alma  - Gimenes,Bruno José -  EDITORA Luz Da Serra

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Sananga, o colírio amazônico


Templo Polimata / Cadeira de Xamanismo / Caminho Verde
Por Sua Graça Sumo Grão Mestre Polimata Acarya Maha Surya Pandit Swami Arumuya Kane Satanawa Varinawa


    Os índios da grande Nação Nawa, hoje separada em mais de 17 etnias, reconhecem qualquer coisa que se coloque nos olhos, no sentido de colírio como Sananga. Porém existe uma medicina especifica utilizada como colírio dentro das culturas indígenas Nawas, em que a etnia Kaxinawa (Huni Kuî) conhece como Mana Heîns, já os Yawanawas em seu dialeto e conhecido como Kanapã Vetxe Shuti.

    O colírio da Sananga medicinal é extraído de uma planta brejeira em forma de arbusto, a Tabernaemontana Sananho, em que um dos princípios ativos encontrados e a Ibogaína. Através de suas raízes que são batidas com água e decocção para extrair suas propriedades. Fale apena relatar a importância da agua usada durante sua produção, infelizmente a maioria da sanangas encontradas pelo mercado foram realizadas com agua de qualidade duvidosa, em especial quando vindo de aldeias indígenas, fale a pena conhecer a sua origem, e em especial também se foi devidamente filtrada.


    Visualmente a sananga varia sua coloração mediante a concentração, agua utilizada e filtragem, variando de um verde escuro meio marron até um amarelo dourado.

    Em sua aplicação ocorre uma ardência que varia entre 3 minutos, mediante a questão clínica do paciente e a frequência que o mesmo utiliza. E com certeza um momento muito especial, afinal com toda a ardência ocorrida neste momento temos a realização de estarmos completamente inseridos neste aqui e agora temporal, que nada mais e importante naquele instante.

    Sua aplicação está voltada em especial a doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite. Nossa visão fica mais precisa, clara e nítida após a aplicação. Apesar de sua contribuição a sananga não cura problema físicos existente nos olhos.

    Espiritualmente e energeticamente falando ajuda a limpar o canal ocular, contribuindo para a a fluidez da percepção junto ao Chakra Ajna (3º Olho), desta forma aumenta nossa percepção e visão espiritual e sensitiva enquanto médiuns, a comprovação de expansão do campo áureo.

    Algumas tribos das etnias Nawas, utiliza-se da sananga para retirar a chamada Panea, que seria uma forma de energia acumulada negativa que carregamos, normalmente associada ao suco gástrico do estomago, que acumula todo o tipo de bactérias e doenças em suspensão, como também carne ingerida em putrefação, base química de medicamente e todo o tipo de lixo inserido na comida que acreditamos muitas vezes ser saudável, como a questão medical que muitas vezes destrói nossa resistência e saúde.

    Além de sempre esquecida química emocional que somos bombardeados diariamente em nosso dia-a-dia, como nossa relação de vida sedentária, destrutiva a nível de pensamentos e ações, colocando-nos fragilizados a nível espiritual, emocional e físico, desta forma depressivo, estressado, mau humorado, quebrado fisicamente.

    Porém deve aqui relatar que o organismo indígena e mais delicado e possui uma pureza de alimentação, ambiente e qualidade de vida não encontrada dentro dos homens assim ditos civilizados, deste forma retirar a Panea através de sananga se encontra mais qualificada entre indígenas. O homem civilização possuidor de uma química ficológica moderna, necessita de outras medicinas e estímulos mais objetivos para alcançar a limpeza da panea realmente.

    O fato de a Ibogaína ser um dos princípios ativos encontrados na sananga, sendo um principio ativo que provoca experiência psicoativa, pode provocar em algumas pessoas transes e rapidas visões, chamadas de mirações por algumas tradições ayahuasqueiras. Além do mais a Ibogaína auxilia no tratamento de dores crônicas e um forte estimulante afrodisíaco, trazendo uma facilitação de processo meditativos e de introspecção.

 
  Os índios também usam a sananga quando saem para caçar, pois auxilia em muito a percepção e nitidez dentro da floresta. Através de sua aplicação podemos relatar a melhor percepção das texturas visuais, profundidade, cores mais vivas o que auxilia o caçador em sua busca visual dentro da floresta em busca da presa.

    Acredita-se que exista uma relação indireta da sananga com o auxilio em algumas doenças psicossomáticas, sendo os olhos nossas janelas para a percepção deste mundo e a nossa necessidade de ver nosso inimigo para podermos assim empreender nossa luta, e natural que esta medicina nos auxilia na percepção do mundo em nossa volta trazendo realização a nível espiritual, emocional e físico.

    O espirito da sananga que é um shanovo (espirito da floresta) tem como processo de medicina o refinamento da visão espiritual, assim para que possamos enxergar a verdade que se encontra a nossa volta e muitas vezes nossa cegueira pessoal e limitante não os permite visualizar e deslumbrar a beleza que existe a nossa volta.





Indicação
Doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite.

Aplicação
2 à 3 gotas a cada olho
Atenção para não esfregar as mão nos olhos devido ao ardência, pois não ira auxiliar, pelo 
contrário provocara mais ardência.



Contraindicação
Não devemos utilizar sananga após cirurgias oculares ou em caso de ferimentos ocorridos.
















sexta-feira, 6 de abril de 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata Abril 2018

Agenda de Abril

  Com grande alegria e devoção informamos a agenda de Abril em todos os Templos Polimata do Brasil, referente a cadeira de Xamanismo, segue:


07|04 - 16h Roda de Rapé (Medicinas da Jibóia)                                07|04 - 19h Ritual de Uni 

08|04 - 09h Ritual de Kambô
08|04 - 16h Roda de Miração com Victor Veiga

14|04 - 19h Roda de Animais de Poder

15|04 - 09h Ritual de Kambô

20|04 - 19h Clã do Camaleão *somente membros*

22|04 - 09h Ritual de Kambô

29|04 - 09h Ritual de Kambô


Templo Campinas           

07|04 - 19h Ritual de Wachuma & Ayahuasca          

08|04 - 09h  Ritual de Kambo                                   
                   
 11|04 - 19h Roda de Rapé (Medicinas da jibóia)      

14|04 - 19h Ritual de Uni                                          

15|04 - 09h Ritual de Kambô                                    
15|04 - 16h Roda de Miração com Victor Veiga       

22|04 - 09h Ritual de Kambô                                    

27|04 - 19h Clã do Camaleão *somente membros*

29|04 - 09h Ritual de Kambô                                    



08|04 - 09h Ritual de Kambô

15|04 - 09h Ritual de Kambô

21|04 - 19h Roda de Rapé (Medicinas da Jibóia)
21|04 - 20h Ritual de Uni

22|04 - 09h Ritual de Kambô

28|04 - 19h Roda de Animais de Poder

29|04 - 09h Ritual de Kambô





segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata 2018

Agenda Cadeira de Xamanismo - Templos Polimata Fevereiro

Templo Mairiporã

03|02 - 16h Roda de Rapé Medicinas da Jibóia
03|02 - 19h Ritual de Uni 

04|02 - 09h  Ritual Kambô                                                 

16|02 - 21h Clã do Camaleão - Somente Membros

18|02 - 09h Ritual Kambô

25|02 - 09h Ritual Kambô




                     Templo Campinas
            
04|02 - 09h Ritual de Kambô

          07|02 - 19h Roda de Rapé Medicinas da Jiboia

        10|02 - 21h Ritual de Uni

 11|02 - 09h Ritual de Kambô
                                    
  17|02 - 22h Voo do Condor ( San Pedro )

    23|02 - 21h Clã do Camaleão - Somente Membros

                                              25|02 - 09h Ritual Kambô    



11|02 - 08h Ritual Kambô

17|02 - 18h Roda de Rapé Medicina da Jiboia 
17|02 - 21h Ritual de Uni

18|02 - 08h Ritual de Kambô

24|02 - 20h Animais de Poder

25|02 - 09h Ritual de Kambô


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Agenda Xamânica de Janeiro

Agenda da cadeira de Xamanismo nos Templos Polimatas em 2018


* Templo Campinas:

20|Jan / 21h - Ritual de Uni - Inicio das atividades da cadeira de xamanismo em 2018
21|Jan / 9h - Kambo

* Templo Mairiporã:

21|Jan / 9h - Kambo

* Templo Boituva :

21|Jan / 15h - Roda de Miração

* Templo Campinas :

26| Jan / 21h Clã do Camaleão




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Agenda de Maio

Agenda de Maio do Templo Polimata Mairiporã

AGENDA DE MAIO

01/05 - Segunda-feira (Feriado)
10h | Café da Manhã e Encerramento da Caminhada Xamânica

06/05 - Sábado
09h | Curso de Cristais - Módulo I (saiba mais)
15h | Aula de Música e Ensaio
19h | Ritual de Uni

07/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô

08/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

13/05 - Sábado
21h | Concentração dos Animais de Poder com Ayahuasca

14/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô 

15/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

19/05 -Sexta-feira
21h | Clã do Camaleão

20/05 - Sábado
15h | Aula de Música e Ensaio do Corpo Musical
19h | Satsaṅga à Śrī Nṛsiṁhadeva

21/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô

22/05 - Segunda-feira
21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

26/05 - Sexta-feira - Especial ao Povo Cigano
19h | Concentração de Esquerda com Ayahuasca
Especial ao Povo Cigano e à Santa Sara Kali
​​
27/05 - Sábado
14h |Estudo de Ogan com Renan
15h | Estudo Mediunico
19h |Ritual de YagêOrixas à Oxalá
28/05 - Domingo
09h | Ritual de Kambô
10h | Ritual à Oxum no Rio

29/05 - Segunda-feira

21h | Ritual de Manutenção da Esquerda

Saiba mais em nosso sitewww.ordempolimata.com.br
Templo Polimata
Maiores informações pelo telefone.
(11) 98225-8808 (TIM/WhatsApp)

sábado, 8 de abril de 2017

Sananga O Colírio Amazônico

Sananga
O Colírio Amazônico
Templo Polimata / Cadeira de Xamanismo / Caminho Verde
Por Sua Graça Sumo Grão Mestre Polimata Acarya Maha Surya Pandit Swami Arumuya Kane Satanawa Varinawa

Os índios da grande Nação Nawa, hoje separada em mais de 17 etnias, reconhecem qualquer coisa que se coloque nos olhos, no sentido de colírio como Sananga. Porém existe uma medicina especifica utilizada como colírio dentro das culturas indígenas Nawas, em que a etnia Kaxinawa (Huni Kuî) conhece como Mana Heîns, já os Yawanawas em seu dialeto e conhecido como Kanapã Vetxe Shuti.

O colírio da Sananga medicinal é extraído de uma planta brejeira em forma de arbustro, a Tabernaemontana Sananho, em que um dos princípios ativos encontrados e a Ibogaína. Através de suas raízes que são batidas com água e decocção para extrair suas propriedades. Fale apena relatar a importância da agua usada durante sua produção, infelizmente a maioria da sanangas encontradas pelo mercado foram realizadas com agua de qualidade duvidosa, em especial quando vindo de aldeias indígenas, fale a pena conhecer a sua origem, e em especial também se foi devidamente filtrada.

Visualmente a sananga varia sua coloração mediante a concentração, agua utilizada e filtragem, variando de um verde escuro meio marron até um amarelo dourado.
Em sua aplicação ocorre uma ardência que varia entre 3 minutos, mediante a questão clínica do paciente e a frequência que o mesmo utiliza. E com certeza um momento muito especial, afinal com toda a ardência ocorrida neste momento temos a realização de estarmos completamente inseridos neste aqui e agora temporal, que nada mais e importante naquele instante.

Sua aplicação está voltada em especial a doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite. Nossa visão fica mais precisa, clara e nítida após a aplicação. Apesar de sua contribuição a sananga não cura problema físicos existente nos olhos.

Espiritualmente e energeticamente falando ajuda a limpar o canal ocular, contribuindo para a a fluidez da percepção junto ao Chakra Ajna (3º Olho), desta forma aumenta nossa percepção e visão espiritual e sensitiva enquanto médiuns, a comprovação de expansão do campo áureo. Algumas tribos das etnias Nawas, utiliza-se da sananga para retirar a chamada Panea, que seria uma forma de energia acumulada negativa que carregamos, normalmente associada ao suco gástrico do estomago, que acumula todo o tipo de bactérias e doenças em suspensão, como também carne ingerida em putrefação, base química de medicamente e todo o tipo de lixo inserido na comida que acreditamos muitas vezes ser saudável, como a questão medical que muitas vezes destrói nossa resistência e saúde. Além de sempre esquecida química emocional que somos bombardeados diariamente em nosso dia-a-dia, como nossa relação de vida sedentária, destrutiva a nível de pensamentos e ações, colocando-nos fragilizados a nível espiritual, emocional e físico, desta forma depressivo, estressado, mau humorado, quebrado fisicamente.

Porém deve aqui relatar que o organismo indígena e mais delicado e possui uma pureza de alimentação, ambiente e qualidade de vida não encontrada dentro dos homens assim ditos civilizados, deste forma retirar a Panea através de sananga se encontra mais qualificada entre indígenas. O homem civilização possuidor de uma química ficológica moderna, necessita de outras medicinas e estímulos mais objetivos para alcançar a limpeza da panea realmente.

O fato de a Ibogaína ser um dos princípios ativos encontrados na sananga, sendo um principio ativo que provoca experiência psicoativa, pode provocar em algumas pessoas transes e rapidas visões, chamadas de mirações por algumas tradições ayahuasqueiras. Além do mais a Ibogaína auxilia no tratamento de dores crônicas e um forte estimulante afrodisíaco, trazendo uma facilitação de processo meditativos e de introspecção.

Os índios também usam a sananga quando saem para caçar, pois auxilia em muito a percepção e nitidez dentro da floresta. Através de sua aplicação podemos relatar a melhor percepção das texturas visuais, profundidade, cores mais vivas o que auxilia o caçador em sua busca visual dentro da floresta em busca da presa.

Acredita-se que exista uma relação indireta da sananga com o auxilio em algumas doenças psicossomáticas, sendo os olhos nossas janelas para a percepção deste mundo e a nossa necessidade de ver nosso inimigo para podermos assim empreender nossa luta, e natural que esta medicina nos auxilia na percepção do mundo em nossa volta trazendo realização a nível espiritual, emocional e físico.

O espirito da sananga que é um shanovo (espirito da floresta) tem como processo de medicina o refinamento da visão espiritual, assim para que possamos enxergar a verdade que se encontra a nossa volta e muitas vezes nossa cegueira pessoal e limitante não os permite visualizar e deslumbrar a beleza que existe a nossa volta.

Indicação
Doenças bacterianas existente no globo ocular de forma geral, auxiliando no tratamento ou prevenção de conjuntivite, terçol, irritações nos olhos, catarata, miopia, hipermetropia, astigmatismo, ambliopia, olhos seco, fotofobia, glaucoma, ceratocone, dores de cabeça, catarro derivante de sinusite e renite.

Aplicação.
2 à 3 gotas a cada olho
Atenção para não esfregar as mão nos olhos devido ao ardência, pois não ira auxiliar, pelo contrário provocara mais ardência.

Contraindicação
Não devemos utilizar sananga após cirurgias oculares ou em caso de ferimentos ocorridos.

Irmandade Polimata